Entrar
Siga o IBEF Campinas no Facebook Siga o IBEF Campinas no LinkedIn Siga o IBEF Campinas no Instagram
banner-site-ibef-outubro-rosa-2

Outubro Rosa

Notícias IBEF

Para combater o 2º tipo mais comum de câncer entre as mulheres é preciso prevenção e diagnóstico precoce. Uma atitude que é responsabilidade de todos. Todas as mulheres entre 40 e 69 anos devem realizar exame clinico e mamográfico ao menos uma vez por ano. A Unimed desenvolveu este material para mostrar como a conscientização da sociedade ajuda no combate ao câncer de mama. Leia com atenção e faça este material chegar até esposas, mães, filhas, amigas e demais mulheres que fazem parte da sua vida.

Apenas as mulheres nessa faixa etária precisam realizar os exames?

Não. As mulheres com mais de 35 anos que pertençam a grupos com alto risco de desenvolver câncer de mama, também devem realizar os exames uma vez ao ano.

Quais são os grupos com alto risco de desenvolvimento do câncer de mama?

  • Mulheres com menos de 50 anos que possuam ao menos um parente de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) com diagnóstico de câncer de mama;
  • Mulheres de qualquer idade que possuam pelo menos um parente de primeiro grau (mãe, irmã ou filha) com diagnóstico de câncer de mama bilateral ou câncer de ovário;
  • Mulheres que possuam histórico familiar de câncer de mama masculino;
  • Mulheres que possuam diagnóstico histopatológico e lesão mamária proliferativa com atipia ou neoplasia lobular in Situ.

Homens também têm câncer de mama?

Sim, homens também podem ter, mas os casos são raros, cerca de 1 para 100 mil. Quando for encontrada alguma desigualdade nas mamas ou caroços, um médico deve ser procurado o quanto antes.

A prótese de silicone dificulta o diagnóstico do câncer de mama?

Atualmente não dificulta mais, graças à tecnologia empregada nos exames médicos. Inicialmente são feitos exames de mamografia digital. Em caso de dúvidas, faz-se o ultrassom mamário e se ainda restar dúvidas, realiza-se a ressonância magnética da mama. O que atrapalha o diagnóstico são casos genéticos em que a marna é muito densa.

 A amamentação ajuda a prevenir a doença?

Os estudos ainda são inconsistentes e se realmente existe uma proteção, percentualmente é muito baixa. O que protege é a gravidez completa até o 9º mês em pacientes jovens (mais de 24 anos), o motivo é que a mama apresenta células imaturas que só completam seu desenvolvimento durante a gravidez. As células imaturas são mais sujeitas a sofrer mutação, daí, o perigo de câncer.

Quem tem câncer de mama pode amamentar?

Não, por causa do tratamento. Quem já teve, só pode engravidar e amamentar de novo, depois de pelo menos 5 anos que o câncer tiver sido tratado.

O que causa o câncer de mama?

Não existe um único fator para apontar, por isso é tão difícil falar em prevenção primária da doença. Mas entre os fatores conhecidos, existem pacientes portadoras de mutação genética, obesidade, consumo de álcool exagerado; estilo de vida sedentário e exposição à radiação.

Mulheres com histórico familiar de câncer devem retirar os seios como prevenção?

Não. A retirada da mama não é urna cirurgia simples e podem ocorrer várias intercorrências. Esse tipo de cirurgia preventiva é restrita a um pequeno grupo de altíssimo risco de câncer de marna que são pacientes comprovadamente portadoras de mutação em genes específicos.

Como é o tratamento do câncer de mama?

Ele varia conforme o estágio da doença. Inclui cirurgia, radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia, não obrigatoriamente todas essas etapas. A escolha varia de acordo com as caracteristicas de cada tumor. Atualmente existe um tratamento específico para cada caso.

Como as mulheres que pertencem aos grupos com alto risco de desenvolvimento do câncer de mama devem proceder?

Com rastreamento por meio de exame clínico da mama e de mamografia anual.

Como proceder em caso de alteração nos exames realizados?

Todas as mulheres devem ter acesso ao diagnóstico; tratamento e acompanhamento.

Quais são os sinais de alerta que devem fazer a mulher procurar um especialista?

O principal sintoma é sentir algo diferente na palpação como um caroço. Vermelhidão na mama, também pode chamar a atenção, dando a impressão à paciente que pode ser uma alergia. Secreções de sangue pela mama nas cores sanguinolenta ou transparente, são sinais de alerta. As secreções brancas, amarelas ou castanho escuro são típicas de doenças benignas. A pele ter aspecto de “casca de laranja” é um fator alarmante e acontece em casos avançados de câncer.

O autoexame da mama deve ser feito de quanto em quanto tempo?

Deve ser realizado de 6 em 6 meses, de cinco a dez dias após a menstruação, período que a mama fica menos dolorida, facilitando a palpação. Antes disso a paciente corre o risco de confundir com a glândula mamária endurecida.

 O que fazer quando encontrar um caroço com a palpação?

Quando se descobre um caroço deve procurar um médico o quanto antes.

O autoexame pode ser realizado por todas as mulheres?

Apenas em mulheres com menos de 40 anos.A partir dessa idade deve fazer a mamografia anualmente.

Existem hábitos benéficos e que previnem a doença?

Evitar o consumo de bebidas alcoólicas, carnes vermelhas, adotar um estilo de vida com a prática de atividades físicas e manter o peso sob controle para evitar a obesidade abdominal.

O uso contínuo da pílula anticoncepcional aumenta o risco da doença?

De acordo com várias pesquisas, o anticoncepcional não aumenta o risco de câncer de mama, inclusive em pacientes com ovário policístico. Ele pode até reduzir o risco de câncer de ovário em pacientes normais.

Mulheres com alteração na taxa de hormônio têm predisposição em desenvolver a doença?

Depende da alteração hormonal Alteração da tireóide, por exemplo, não oferece risco. Os casos que favorecem a obesidade abdominal podem acarretar câncer de mama.