Desafios e competências do profissional de finanças nos dias de hoje

Tenho notado que cada vez o perfil do profissional de finanças deixa de ser uma atividade de suporte à gestão e tem se consolidado como parte integrante, ativa e protagonista do próprio negócio. Isso já era uma tendência declarada nos últimos anos, mas o cenário global de pandemia e todas as crises e mudanças acarretadas por isso acelerou cada vez mais este panorama.
O profissional de finanças se tornou definitivamente um business partner do negócio, responsável direto pela continuidade, estabilidade e/ou crescimento das empresas.

Seguindo na esteira deste ponto, temos visto cada vez o desenvolvimento de algumas competências e atributos imprescindíveis para este profissional:

  • Competências de liderança: as pessoas foram trabalhar em suas casas. O trabalho remoto aliado à necessidade de isolamento social impactou profundamente na forma como os times são gerenciados. Capacidade de gerenciar performance aliada a engajamento, saúde mental e motivação à distância são a nova realidade da gestão corporativa, principalmente em estruturas administrativas como a área de finanças. Um olhar humanista, empático se tornou importante para substituir o controle presencial e isso não está atrelado apelas às situações de isolamento social devido à Isso será uma realidade daqui para frente.
  • Olhar holístico: capacidade de buscar um entendimento integral dos fenômenos, envolvendo não só o ambiente intra-empresarial, mas macroeconomia, geopolítica, sociologia e competitividade.

Tomar decisões e seguir orientações com base em uma visão sistêmica de mundo caracteriza cada vez mais os cases de sucesso nesta posição. Além de conhecer números e planilhas, o profissional de finanças deve agregar cada vez mais outras disciplinas em sua bagagem.

  • Expertise setorial –O profissional deve ser um especialista no seu setor econômico. O conhecimento amplo sobre o setor de atividade é outro ponto elementar para quem se destaca na área. Assim, fica mais fácil tornar-se uma referência, destacando-se dos outros profissionais do mercado e também antecipando tendências e tomando a iniciativa frente aos concorrentes.

Versatilidade e adaptação à mudanças são palavras de ordem.
Estas mudanças causadas pela pandemia são extremamente dinâmicas. Há uma dificuldade estrutural de planejar um futuro que não seja para curto ou médio prazo.
Temos alguns sinais importantes de tendências de mercado como a digitalização e automação de processos, mas no fundo não sabemos até onde e em qual velocidade, de fato, isso pode ir…

Entrar na seara da revolução digital nos coloca em um mundo em transformação minuto a minuto. Por isso, a capacidade de coordenar, adaptar e articular mudanças tornou-se competência necessária para todas as áreas. E para isso precisamos ser flexíveis e saber transitar entre os diversos níveis hierárquicos e departamentais.

Cito aqui algumas áreas em alta em Finanças nos tempos atuais:

Controladoria Industrial – com a crise conjuntural na indústria e a necessidade de olhar custos de forma estratégica, as empresas tem investido no profissional com capacidade de planejar e gerenciar custos, controles e orçamentos da operação. Conhecimento no processo industrial, analise de investimentos/desinvestimentos e habilidade de construir relatórios são algumas das responsabilidades deste profissional

Tesouraria – Conhecimento profundo de operações financeiras. Muitas empresas te se alavancado em dividas ou tem recebido investimentos através de aportes ou fundos. Capacidade de gerenciar o caixa se tornou um dos maiores diferenciais durante a pandemia. Em 2020 só se falava em manutenção do caixa e operações de proteção como estratégia de sobrevivência. Negociar com bancos se tornou atividade diária em muitas organizações.

Crédito e cobrança – Com destaque ao agronegócio, segmento que cresceu muito na pandemia, está área de tornou muito evidente no mercado. Fazer análises e recuperação de credito, analises empresariais, ações de cobrança (em campo para o agro), conhecimento de fluxo de caixa e bons conhecimentos de mercado são algumas das competências exigidas para esta área

Relação com o investidor – Com um movimento crescente de abertura do capital, real desvalorizado e juros baixos o Brasil se tornou um campo fértil para investimentos, compras e vendas de empresas.
Conhecimento de normas reguladoras, mercado de capitais, direito societário e capacidade de construção de relatórios e comunicação são as chaves desta área.

Enfim.
A área de finanças é muito dinâmica.

Geralmente, em uma mudança organizacional elas são as primeiras vagas a serem trocadas ou buscadas, justamente pela necessidade cada vez maior de uma parceria ativa com o negócio. O cenário exposto acima coloca um holofote muito claro sobre esta área. É preciso estar preparado para surfar esta onda!

 

Por: Thiago Mariano

Headhunter e head do escritório da Hays de Campinas
Psicólogo, especialista em recrutamento para área de finanças, recursos humanos e tecnologia.

WhatsApp chat